Archive | abril 2012

Lâmpada LED da Philips chega às lojas dos Estados Unidos nesta semana

A lâmpada LED da Philips ganhou um concurso em 2007 que premiaria a melhor alternativa às lâmpadas incandescentes de 60 watts. Anos depois – mas ainda em tempo para o Dia da Terra neste domingo – a “L bulb” finalmente chega às vendas nos Estados Unidos.

Em lojas comuns, o produto poderá ser encontrado por 60 dólares, mas com um desconto instantâneo de 10 dólares para consumidores domésticos. A L bulb oferece cerca de 30 mil horas de iluminação LED. Se usada por quatro horas por dia, ela pode durar incríveis vinte anos.

Ainda não há previsão para a chegada da lâmpada da Philips no Brasil.

via Lâmpada LED da Philips chega às lojas dos Estados Unidos nesta semana – Gadgets INFO – Blogs – INFO Online.

Anúncios

Óculos maneiro esse do Google

Como seria um óculos de realidade aumentada? Essa é a versão do Google. Ainda não se sabe quando entrará em produção, mas é muito maneiro.

Como não poderia deixar de ser, sempre tem alguém para zuar a parada. Então, já fizeram um vídeo de como seria o óculos do Google com um monte de propagandas que sempre tem nas páginas do Google.

Quero uma cadeira dessa para mim…

Acadeira modernosa abaixo é chamada de EnergyPod. Nos Estados Unidos, ela é um hit em diversos escritórios. Sua função é propiciar a melhor soneca durante o expediente. Um levantamento recente divulgado pelo Centro de Estudo do Sono, da Universidade Stanford, mostra que a maioria dos americanos dorme menos de sete horas por noite e 20% deles reclamam de sonolência durante o dia. Por isso empresas como Google, Cisco e Procter & Gamble, temendo a perda de produtividade, estão zelando pela soneca de seus funcionários. Confi ra o que atrapalha o bom descanso de cada dia e como resolver o problema.

1. VIAGENS DE NEGÓCIO

As restrições de movimento em voos geram desconforto, estresse e uma noite ruim de sono. O fuso horário piora. Afi nal, o relógio biológico não bate com a hora local. A pessoa pode sentir fadiga, sonolência e ter a capacidade cognitiva diminuída no dia seguinte.

Solução – Viajar menos. Com todas as novas tecnologias disponíveis, dá para reduzir o número de reuniões presenciais. Só viaje quando houver necessidade real de contato olho no olho. Você ainda vai ficar bem com o chefe por causa da economia no orçamento de sua área.

2 . MAUS HÁBITOS

Muitos profi ssionais compensam à noite o trabalho que fi cou para trás no escritório. Péssima ideia. “Quem faz isso e precisa acordar cedo passa a ter uma privação das horas de sono, o que pode virar um problema”, diz o neurologista Luciano Ribeiro Pinto.

Solução – Quebre essa rotina. Pare de levar trabalho para casa e reorganize sua agenda durante o dia, para dar conta do recado. Identifique quais são as tarefas importantes e quais são as urgentes.

3. ESTRESSE

Leva às noites maldormidas – ainda que durma mais de oito horas. A sensação de cansaço e sonolência no dia seguinte persiste.

Solução – Você pode fazer o exame chamado polissonografia, que diagnostica a razão das noites maldormidas. Faça exercícios físicos.

CANTINHO PARA RELAXAR

No Brasil, algumas empresas oferecem salas reservadas para os funcionários descansarem alguns minutos durante o expediente.

GOOGLE.

O centro de desenvolvimento, em Belo Horizonte, dispõe de salas aconchegantes para os funcionários que querem repousar. Lá, há redes e salas restritas, que ficam afastadas do zum-zum-zum dos programadores.

via Sua empresa tem uma ENERGYPOD?.

O Tempora, O Mores: Verdades e Mitos sobre a Páscoa

Por Augustus Nicodemus Lopes

Nesta época do ano celebra-se a Páscoa em toda a cristandade, ocasião que só perde em popularidade para o Natal. Apesar disto, há muitas concepções errôneas e equivocadas sobre a data.

A Páscoa é uma festa judaica. Seu nome, “páscoa”, vem da palavra hebraica pessach que significa “passar por cima”, uma referência ao episódio da Décima Praga narrado no Antigo Testamento quando o anjo da morte “passou por cima” das casas dos judeus no Egito e não entrou em nenhuma delas para matar os primogênitos. A razão foi que os israelitas haviam sacrificado um cordeiro, por ordem de Moisés, e espargido o sangue dele nos umbrais e soleiras das portas. Ao ver o sangue, o anjo da morte “passou” aquela casa. Naquela mesma noite os judeus saíram livres do Egito, após mais de 400 anos de escravidão. Moisés então instituiu a festa da “páscoa” como memorial do evento. Nesta festa, que tornou-se a mais importante festa anual dos judeus, sacrificava-se um cordeiro que era comido com ervas amargas e pães sem fermento.

Jesus Cristo foi traído, preso e morto durante a celebração de uma delas em Jerusalém. Sua ressurreição ocorreu no domingo de manhã cedo, após o sábado pascoal. Como sua morte quase que certamente aconteceu na sexta-feira (há quem defenda a quarta-feira), a “sexta da paixão” entrou no calendário litúrgico cristão durante a idade média como dia santo.

Na quinta-feira à noite, antes de ser traído, enquanto Jesus, como todos os demais judeus, comia o cordeiro pascoal com seus discípulos em Jerusalém, determinou que os discípulos passassem a comer, não mais a páscoa, mas a comer pão e tomar vinho em memória dele. Estes elementos simbolizavam seu corpo e seu sangue que seriam dados pelos pecados de muitos – uma referência antecipada à sua morte na cruz.

Portanto, cristãos não celebram a páscoa, que é uma festa judaica. Para nós, era simbólica do sacrifício de Jesus, o cordeiro de Deus, cujo sangue impede que o anjo da morte nos destrua eternamente. Os cristãos comem pão e bebem vinho em memória de Cristo, e isto não somente nesta época do ano, mas durante o ano todo.

A Páscoa, também, não é dia santo para nós. Para os cristãos há apenas um dia que poderia ser chamado de santo – o domingo, pois foi num domingo que Jesus ressuscitou de entre os mortos. O foco dos eventos acontecidos com Jesus durante a semana da Páscoa em Jerusalém é sua ressurreição no domingo de manhã. Se ele não tivesse ressuscitado sua morte teria sido em vão. Seu resgate de entre os mortos comprova que Ele era o Filho de Deus e que sua morte tem poder para perdoar os pecados dos que nele creem.

Por fim, coelhos, ovos e outros apetrechos populares foram acrescentados ao evento da Páscoa pela crendice e superstição populares. Nada têm a ver com o significado da Páscoa judaica e nem da ceia do Senhor celebrada pelos cristãos.

Em termos práticos, os cristãos podem tomar as seguintes atitudes para com as celebrações da Páscoa tão populares em nosso país: (1) rejeitá-las completamente, por causa dos erros, equívocos, superstições e mercantilismo que contaminaram a ocasião; (2) aceitá-las normalmente como parte da cultura brasileira; (3) usar a ocasião para redimir o verdadeiro sentido da Páscoa.

Eu opto por esta última.

via O Tempora, O Mores: Verdades e Mitos sobre a Páscoa.

%d blogueiros gostam disto: